“É pesado, mas tem que ser assim mesmo”, diz Rogério Maues, supervisor de vendas da Troller, enquanto rebate o banco do motorista e libera acesso ao assento traseiro do utilitário T4.

O jipe custa R$ 133.700 na linha 2019 e traz uma nova central multimídia da marca JBL, com tela sensível ao toque e conexão sem fio com smartphones. Logo abaixo do visor estão os comandos digitais do ar-condicionado, com zonas independentes de temperatura para motorista e passageiro. O luxo para por aí.

 

Rusticidade

O Troller é rústico, como já demonstrado pela pesada alavanca de rebatimento do banco. Maues explica que a estrutura do assento precisa ser forte o suficiente para acomodar a ancoragem do cinto de segurança e permanecer firme mesmo se o carro estiver de lado em uma trilha.

O jipe se move em uma inclinação de até 40 graus. A razão de existir do Troller é sua capacidade de transpor obstáculos inimagináveis para os SUVs de luxo que estão por toda a parte. O T4 é essencialmente um jipe 4X4, fato comprovado pelo trecho off-road preparado pela fabricante.

Áreas alagadas são transpostas sem dificuldade. Se tiverem menos de 80 cm de profundidade, nem é preciso instalar o snorkel, vendido como acessório nas revendas. Também dá para transpor aclives com até 45 graus acionando o sistema de tração nas quatro rodas com caixa de redução. Tudo isso, claro, utilizando pneus adequados para fora de estrada.

 

Nas pistas

Em uma boa rodovia na cidade de Cabreúva  – a 89 km de São Paulo -, fora do roteiro de teste original, o jipe cearense mostra que se vira bem no asfalto.

A posição de dirigir é semelhante a de utilitários de luxo, relaxada. Embora a alavanca do câmbio manual de seis marchas tenha engates um tanto duros – precisa ser robusta para suportar a tremedeira na terra -, o pedal de embreagem é leve. O som do motor a diesel de 200 cv acompanha o motorista todo o tempo, para lembrar que se trata de um veículo de duas toneladas pensado para o mau caminho, bem diferente dos jipinhos urbanos da moda.

 

Para quem gosta

A onda aventureira, contudo, não prejudica a Troller. Rogério Maues diz que o interesse por utilitários fez a Troller ter um pico de emplacamentos em 2015, quando o mercado automotivo passava por um momento ruim.

O supervisor de vendas afirma que muitos dos compradores haviam pegado o gosto pelos utilitários esportivos e queriam um carro com mais capacidade off-road. O Troller tornou-se uma opção. No entanto, a robustez não vem acompanhada de importantes itens de segurança.

O Troller T4 se enquadra em uma categoria de veículo fora de estrada em que os airbags frontais são dispensáveis. A solução desse problema é esperada para o Salão do Automóvel de São Paulo, que acontece em novembro.

Leia também

Deixe uma resposta