A linha 2019 da Nissan Frontier começou a ser fabricada na Argentina e, com isso, recebeu mais opções de versões e equipamentos. Por enquanto são três versões, todas com motor a diesel e tração nas quatro rodas.

 

A “popular”

A mais tradicional é a intermediária Attack, uma série com visual mais esportivo que esteve em todas as gerações da picape vendidas no Brasil. A atual não é diferente. Conta com adesivos espalhados pela carroceria, faróis dianteiros com máscara negra, rodas escurecidas, pneus de uso misto e acessórios pintados de preto.

Custa R$ 153.590 e tem ar-condicionado manual, câmbio automático de sete marchas, central multimídia com Android Auto, Apple CarPlay e câmera de ré. Ficam de fora itens que só estarão disponíveis em outras versões da picape, como teto solar – equipamento raro em picapes -, piloto automático e chave presencial.

 

A potência

A receita mecânica é a mesma de todas as versões. O motor 2.3 de quatro cilindros e dois turbo compressores gera 190 cv e 45,9 kgfm de torque (força). Mas falta fôlego em arrancadas e retomadas. Com os giros mais altos, aí sim, a picape anda bem e pega embalo.

Como qualquer picape, os passageiros reclamam de pulos da suspensão, mas a escolha por molas helicoidais – as mesmas de carros de passeio – que dão mais conforto sem prejudicar a condução.

Foi embora a sensação de que a caminhonete “flutua” em altas velocidades. Apesar de parecer com o interior do Sentra, o acabamento da Frontier opta por materiais mais simples que isolam menos o ruído.

Leia também