Chevrolet Cruze e Volkswagen Golf são os dois únicos hatches médios produzidos atualmente no Brasil. Tanto nas ruas como nas fábricas, o segmento que já foi símbolo de status perdeu espaço para os SUVs compactos.

Feito em São José dos Pinhais, no Paraná, o modelo da Volks teve 3.070 unidades emplacadas em 2018, segundo a Fenabrave. No mesmo período, 49 mil jipinhos Hyundai Creta foram comercializados. O Cruze se saiu um pouco melhor: 5.535 emplacamentos no ano passado.

 

Ainda em destaque

Apesar de distantes do topo das vendas, os hatches médios seguem superiores aos utilitários da moda. Cruze e Golf oferecem mais itens de segurança. Ambos são equipados com airbags frontais e laterais em todas as versões, algo ainda raro entre os jipinhos. Além disso, os motores 1.4 turbo dos hatches avaliados foram suficientes para superar a maioria dos SUVs em desempenho e consumo.

O modelo da Volks é um exemplo de boa ergonomia. O motorista tem os comandos que importam em destaque, o que evita distração. O Cruze é mais esportivo por fora do que por dentro. A cabine é mais ampla e tem forrações claras na versão LTZ. Um botão no volante libera os comandos por voz: dá para escolher a música ou acessar o navegador GPS sem tirar as mãos da direção. Conectividade também é ponto forte do Golf, que pode ser equipado com uma tela sensível ao toque semelhante a um tablet. O item faz parte do pacote premium, que custa R$ 9.900 e inclui “park assist” (comanda o volante e orienta o motorista nas manobras para estacionar), bancos elétricos e frenagem automática.

Com todos os itens disponíveis, o preço do Golf Highline chega a R$ 129.340. Com pacote semelhante na versão LTZ Plus, o Cruze custa menos: R$ 119.690.

 

Os diferenciais

Só o Chevrolet tem o serviço de atendimento ao cliente On Star. O sistema pode acionar socorristas caso perceba que o motorista sofreu um acidente ou enviar uma rota diretamente para o sistema de navegação. Os comandos são acessados por meio de botões no retrovisor.

Em movimento, o rodar firme do Golf se destaca. É um carro pensado para quem gosta de dirigir esportivamente, gente que prefere curvas a retas, comportamento bem diferente do encontrado nos jipinhos. O Cruze é voltado para o uso urbano, sua suspensão não se incomoda tanto com os buracos. Na estrada, o silêncio mesmo a 120 km/h revela o cuidado da marca com o isolamento acústico. Os números de desempenho e consumo são quase idênticos, o que leva a decisão para os detalhes.

O Chevrolet termina como vencedor por oferecer menor custo de compra nas versões comparadas e mais espaço interno, item importante para quem o utiliza como carro de família.

Leia também