40Com o fim do ano chegando, aumentam as exigências para se cumprir promessas, metas e até mesmo o consumo para presentes. Tudo isso, nessa época do ano, tende a elevar ou desencadear o esgotamento emocional. Outras situações são mudanças bruscas de vida, como o nascimento de um bebê, um problema de saúde, um fim de relacionamento ou ainda estresse no trabalho.

 

No limite

O ‘burnout’ – estresse excessivo – é um exemplo de esgotamento físico e mental relacionada ao trabalho e que pode acontecer em qualquer momento. Mas esta época, fim de ano é em geral referida como pior, explica Luiz Scocca, psiquiatra pelo Hospital das Clínicas da USP (Universidade de São Paulo).

“Há uma corrida na tentativa de cumprir todas as tarefas, um grande consumismo, muitas frustrações do que não foi feito. Na prática de consultório vemos as pessoas se queixarem muito mais, embora muitos gostem dessas época”, fala Luiz.

 

Tudo a seu tempo

A pessoa poderá se sentir sobrecarregada, fadiga, estresse intenso, falta de paciência, dificuldade de realizar tarefas, não ter mais prazer, vontade de não fazer nada, entre outros sintomas, segundo Yuri Busin, psicólogo, doutor em neurociência do comportamento pela Universidade Mackenzie.

“Uma ótima forma de lidar com a pressão das metas e não se assustar com o tamanho delas é dividi-las em pequenas metas a serem atingidas, facilitando a organização”, orienta Yuri.

Ele também comenta sobre a importância de procurar a ajuda de um psicólogo. “Irá ajudar muito, mas é sempre válido lembrar que o tratamento psicológico não é uma mágica que ocorre em uma sessão. É a longo prazo. E é preciso seguir as orientações do profissional à risca”, ressalta.

 

Reflexão

O esgotamento emocional não necessariamente ocorre no final do ano, mas é nessa época que muitas pessoas fazem reflexões e começaram a se questionar, diz Yuri Busin.

“Elas percebem que estão em caminhos diferentes do que desejam. Essa reflexão é estimulada no final do ano pela sociedade, mas deve acontecer sempre, ao longo do ano, evitando assim sentimentos negativos e caminhos indesejados”, comenta o psicólogo.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *