As brigas de família e a ansiedade estão fazendo você roer (mais) as unhas? Para quem já tinha o hábito ou para quem o adquiriu agora, a solução do problema passa, em primeiro lugar, por reconhecê-lo e querer, de fato, tratá-lo.

Tudo bem, parece óbvio, mas muita gente chega aos consultórios médicos sem assumir que os dedos machucados são obra própria.

Segundo Tatiana Gabbi, médica dermatologista da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), às vezes é necessária uma abordagem multiprofissional caso haja alguma doença por trás do hábito, como depressão e ansiedade grave.

 

Consequências e soluções

Infecções, inflamações com pus e cicatrizes também podem surgir. O problema também pode provocar sangramento debaixo das unhas (hemorragia subungueal), infecção na unidade ungueal e até a perda completa da placa ungueal.

Para tentar solucionar o ‘vício’, é indicado cobrir as unhas com micropore; fazer a mão em uma manicure; usar esmaltes atóxicos que têm sabor amargo e vitaminas para acelerar o crescimento das unhas.

E lembrando: por mais que tirar bastante a cutícula na hora de fazer as mãos seja um hábito brasileiro, a prática não é nem um pouco recomendada por dermatologistas, seja com o alicate ou com removedores químicos de cutícula.

Leia também

Deixe uma resposta