Carulina Costa

Em fevereiro deste ano, o prefeito de Osasco, Rogério Lins (Pode), inaugurou com pompa e circunstância o Hospital Veterinário Manchinha, no Jardim Wilson.

Pegando carona na morte do cachorro no estacionamento do hipermercado, Lins fez a política como ele e seu partido estão acostumados a fazer – aquele jeito “bom e velho” dos coronéis – tentando se passar pelo novo nos ternos apertados.

Enquanto isso, Fabiana Cavalcante de Souza Simões, moradora do Quitaúna, mãe de dois filhos – sendo um bebê de dois anos – desempregada, perambulava de posto em posto de Saúde tentando fazer exames e descobrir o que era o caroço que estava crescendo atrás de sua orelha direita. Para ser atendida, ela precisou até escrever carta declarando que tinha votado no prefeito. E não adiantou.

Agora, três meses depois, o caroço já está com 12 centímetros e Fabiana já sabe que se trata de um tumor que está pressionando uma das principais veias de seu cérebro. Se ela tivesse recebido o atendimento adequado em agosto de 2018 – quando procurou o médico pela primeira vez – não estaria correndo riscos agora.

Mas aparentemente, Osasco é uma cidade em que os cães e gatos têm prioridade. E a mentira reina.

Em resposta encaminhada à redação, a prefeitura disse que a paciente cancelou a consulta agendada na Policlínica Norte no dia 07 de maio, com a equipe de pequena cirurgia.

Fabiana tem uma cirurgia marcada na cidade de Sorocaba em 03 de junho. Foi preciso viajar para conseguir atendimento. E ela alega que a prefeitura nunca marcou nenhum tipo de biopsia em maio.

Seu prontuário é cheio de idas, vindas e passagens traumáticas. Sem dúvida alguma, mentira era tudo que um ser humano não precisava num momento como este. Na concepção da prefeitura, talvez os cachorros mereçam um atendimento mais digno.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *