A educação é primordial na vida de uma criança, a partir do momento em que é oferecida com qualidade e objetivos específicos. Acontece que em algumas cidades, as prefeituras trocam ‘os pés pelas mãos’ e agem de acordo com acham correto, muitas vezes não escutando a opinião dos docentes e a preferência dos alunos.

Um exemplo dessa falta de empatia com a educação municipal foi relatado pelo Jornal do Trem & Folha do Ônibus em agosto de 2012, na edição 1093, que mostrou os problemas dos contratos da prefeitura de Osasco junto ao Sítio Mar-Mar Ltda – não agradava professores e estudantes, e apresentava irregularidades apontadas pela Justiça.

Ocorre que a cena agora poderá se repetir em Carapicuíba, pois existe uma enorme chance da administração municipal beneficiar essa empresa com um contrato que supera os R$ 2 milhões.

 

Em Osasco

Os contratos da prefeitura de Osasco com o Sítio Mar-Mar já dura mais de oito anos e está valendo na cidade, tendo em vista que o prefeito Rogério Lins fez a renovação em novembro de 2017 no valor de R$ 4,4 milhões. Vale lembrar que na edição do ano passado, Lins havia afirmado que “não iria monopolizar as ações de educação nem no Sítio Ecolândia e nem em outro lugar”.

Esses contratos entre Osasco e o Sítio Mar-Mar apresentam uma série de irregularidades já apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo que afirmou em uma de suas decisões que “a atividade desenvolvida no contrato não está prevista em lei como sendo de manutenção e desenvolvimento de ensino”.

No ano passado, a diretora do Sindicato dos Professores Municipais de Osasco, Márcia Tavares, decidiu realizar uma petição pública na rede social intitulada “Basta passeio à Ecolândia” e declarou que “a ida à Ecolândia tornava-se obrigatória e esse passeio não era ligado a nenhum projeto pedagógico da escola”.

 

O que esperar de Carapicuíba?

A prefeitura de Carapicuíba abriu um processo licitatório para “a contratação de uma empresa para promover aos educandos da rede municipal de ensino, excursão a sítio/fazenda da região, planejadas com atividades lúdico-pedagógicas ligadas ao estudo da conservação do solo, da fauna e da flora da região”. A abertura dos envelopes dos interessados ocorrerá na próxima segunda-feira, 14 de maio.

Tendo em vista a possibilidade do Sítio Mar-Mar participar e ser o vencedor da licitação – uma vez que nas gestões passadas já houve essa parceria -, o Jornal do Trem & Folha do Ônibus analisou o edital e encaminhou alguns questionamentos à prefeitura de Carapicuíba.

Um dos levantamentos é sobre a exigência do local ter uma piscina. Se a intenção da administração municipal é promover atividades lúdico-pedagógicas ligadas ao estudo da conservação do solo, da fauna e da flora, por que a necessidade de uma piscina?

Outro ponto é o fato de um dos sócios da Ecolândia ser dono da Mar Mar Gráfica e Editora Ltda, que foi fornecedora de material político para a campanha do atual prefeito Marcos Neves. Avançando um pouco mais, será que a prefeitura de Carapicuíba terá o mesmo posicionamento do prefeito Rogério Lins e firmará contrato com uma empresa que enfrenta processos judiciais de ordem política e até trabalhistas?

A administração municipal também foi questionada sobre a possibilidade de uma melhor utilização desses R$ 2.062.500,00 em outros tipos de atividades como visitas a museus, parques, teatros e bibliotecas.

Até o fechamento dessa edição, a prefeitura de Carapicuíba não havia se posicionado sobre os questionamentos. Também entramos em contato com o dono do Sítio Mar Mar, mas não obtivemos o retorno.

Leia também

Deixe uma resposta