Pela terceira vez o Tribunal de Justiça de São Paulo decretou a extinção de quase dois mil cargos comissionados na prefeitura de Barueri. Diante disso, são muitas as perguntas: afinal, quem é o responsável por esta lambança jurídica? Por que estes funcionários são contratados de forma precária, se os cargos são necessários e as famílias precisam dos empregos?

Conversamos com alguns destes funcionários, sob a condição de resguardar o nome de todos. Boa parte deles se submete a jornadas duplas e às vezes triplas de trabalho, em condições sub-humanas.

O que não está claro é quem fez esta bomba explodir bem em período eleitoral. Parece que tudo é orquestrado para aumentar a dor de cabeça do prefeito Rubens Furlan (PSDB). Quando será que ele vai enxergar o óbvio? É importante lembrar: quem mais vai sofrer são as famílias desses funcionários que vão ficar desempregados – isso sem falar nos munícipes que vão perder em atendimento.

Leia também

Deixe uma resposta