Carnaval. Tempo de brincar e esquecer dos problemas. Tempo de aceitar as várias cores e faces dos foliões.

Com a retomada dos Blocos de Rua, o Carnaval voltou a ser realmente popular. E muita gente está gostando bastante dessa mudança.

As reflexões para este momento, no entanto, precisam ser feitas.

Num âmbito mais imediato, você já percebeu como as pessoas ficam mais abertas para a tolerância no Carnaval? Os comportamentos que em outros dias do ano são considerados errados, no Carnaval estão relaxados.

Por que não pode ser assim sempre? Você já pensou sobre isso? Por que julgamos menos no Carnaval, e depois voltamos a ser implacáveis?

Num âmbito mais amplo, devemos sim – apesar dos dias de festa – refletir sobre os rumos do nosso país. Seja no aspecto político, ou econômico ou até mesmo social.

Essa semana que passou foi marcada por muita instabilidade nas bolsas de valores internacionais. Com o aumento dos juros nos Estados Unidos, todo mundo entrou em estado de alerta. Os mercados “emergentes” são os que mais perdem com isso. E o Brasil está nesta lista.

Como se não bastasse, a tal da Reforma da Previdência – que você deve ter ouvido falar bastante nos últimos dias – não vai ser aprovada.

Há quem fique muito contente com isso. Mas por outro lado, a reforma é uma mudança necessária. Assim como seria mais que necessário os governos usarem o dinheiro arrecadado com a cobrança de impostos de forma responsável.

Essa falta de comprometimento com a coisa pública, esse comportamento desleixado de todos os políticos, em todas as esferas, custa muito caro ao Brasil.

Existe uma grande possibilidade de uma crise mundial voltar a atrapalhar os emergentes. A consequência disso, mais uma vez, será sentida não pelos brasileiros ricos.

Vale a pena brincar o Carnaval? Claro que vale. Esse aqui não é um texto daqueles que fala mal da festa, que reverbera o pensamento de quem “odeia” a folia.

O brasileiro merece o descanso, merece a brincadeira. O que não pode é se divertir e não pensar em todas as coisas que acontecem além do bloco de rua.

Enquanto você estiver pulando, com absoluta certeza, alianças e conchavos serão feitos nesses dias. O que fica é a consequência disso. Infelizmente, a festa acaba. E depois dela não é apenas a ressaca que deixa tudo mais difícil.

Na quarta-feira, tente ponderar: Primeiro se não vale a pena levar para seus dias “normais” a tolerância? E segundo, será que vale a pena não estudar muito sobre a forma como esse país está caminhando – para entender o quanto o seu rumo está alterado?  

Mas por agora, não deixe de aproveitar seus dias de descanso (ou de muita farra).

Leia também