Caro leitor, você tem preguiça de fazer atividade física? Prefere pular as refeições importantes para comer ‘besteiras’? Pois bem, se respondeu sim para as perguntas, saiba que você faz parte da estatística daquelas pessoas consideradas sedentárias e que corre um sério risco de apresentar doenças crônicas e cardiovasculares.

A falta de tempo para se exercitar e o custo elevado para ter uma alimentação adequada são algumas desculpas das pessoas que se enquadram na estatística da OMS (Organização Mundial da Saúde), onde 1 em cada 3 adultos não praticam nenhuma atividade física.

Para os especialistas, esses motivos não são ‘aceitáveis’ porque o ser humano foi concebido para movimentar-se e é possível fazer atividade física em qualquer lugar, até mesmo dentro de casa, e comer bem gastando pouco.

 

É preciso movimentar-se

A prática de atividades físicas é uma questão cultural, ou seja, se a pessoa tem a iniciativa própria – ou induzida – de realizar algum tipo de exercício físico, a continuidade fica muito mais fácil. Mas caso esse processo ainda não tenha se iniciado, nunca é tarde para começar.

“O ser humano foi concebido para movimentar-se e está pronto ao nascer para a prática de atividades físicas regulares proporcionais às diferentes faixas etárias”, comenta o coordenador do curso de Educação Física da Anhanguera Osasco, Fernando Morales.

A indicação do professor de Educação Física, Anderlan dos Santos, é que a pessoa se exercite pelo menos três vezes na semana em qualquer local onde seja seguro.

“A recomendação é que se inicie com moderação e aos poucos vá progredindo tanto no tempo, quanto na carga. Uma caminhada entre 10 e 30 minutos e exercícios bem leves são indicados para quem deseja iniciar a prática de exercícios”, fala Anderlan.

 

A base de uma boa saúde

Um corpo perfeito não é sinônimo de uma vida saudável. De nada adianta fazer dietas milagrosas para ter uma linda silhueta, mas apresentar problemas de saúde por não ter uma alimentar adequada.

Para o nutricionista Clínico e Esportivo, Artur Pereira, a alimentação é um dos pilares para uma melhor qualidade de vida.

“Além da alimentação saudável, é preciso ter o bem estar físico e mental, o que torna necessário uma mudança completa de estilo de vida com a inclusão de atividade, redução do estresse e uma melhor qualidade de vida”, explica Artur.

Quanto à alimentação adequada, ele comenta que compreende uma combinação de alimentos de qualidade, coloridos, variados e equilibrados.

“Hábitos alimentares saudáveis são o consumo de alimentos naturais e frescos, redução de frituras, açúcar refinado e produtos processados, e aumento na ingestão de produtos integrais e água”, fala o nutricionista.

 

Para não ter desculpas

A realidade do brasileiro, na maioria das vezes, não o permite pagar uma academia. Entretanto, não é por falta de grana que a pessoa precisa ser sedentária, pois em casa é possível se movimentar. Mas para isso, é preciso alguns passos antes dos exercícios.

“O interessado deve consultar um médico para a liberação da prática regular de exercício e depois ter a orientação de um profissional de educação física”, orienta Fernando.

Segundo Anderlan, é possível fazer um treino aeróbico em casa para melhorar a capacidade respiratória e a resistência muscular.

“É indicado fazer agachamentos, sentando e levantando do sofá para fortalecer o quadríceps, segurar 1 quilo de algum alimento em cada mão e fazer uma flexão de cotovelos para trabalhar o bíceps, e fazer flexão de braços para fortalecer peitoral, tríceps e abdominal para deixar o abdômen forte”.

Leia também

Deixe uma resposta