Nas férias escolares, existem praticamente duas configurações de cotidiano entre as famílias. A primeira é quando os pais conseguem também tirar seus dias de folga. A segunda, é quando eles seguem trabalhando – e sobra apenas o fim de semana para a interação entre todos.

A realidade, muitas vezes, esmaga o ânimo dos pais. A opção shopping center, aliada aos ambientes de jogos ali dentro, acabam sendo a saída mais comum.

Mas, para aqueles que se permitirem, pode haver um “momento de virada”. Um único passeio pode mudar toda a sua perspectiva a respeito da alegria e da importância deste tipo de atividade. Não só para as crianças – mas para você também.

Basta vencer o cansaço em um milímetro. Dar a chance para o novo. De repente, você volta a ser criança ao lado das suas crianças – e elas ficam maravilhadas com a transformação.

A magia – e não há uma palavra que defina melhor – é tão verdadeira, que elas nem se importam com os dias de semana que podem sim, ser maçantes. Elas ficam na expectativa do “o que vamos fazer neste fim de semana”. E por incrível que possa parecer, os pais também se pegam fazendo planos – genuinamente empolgados.

 

Aproxima e une

A psicóloga, pedagoga e escritora, Elisabeth Monteiro, explica que esse tempo de férias é um momento fantástico, uma grande oportunidade para criar vínculos e aproximar ainda mais os pais dos filhos.

“Aqui em casa, quando acabava as férias, nós todos chorávamos. Eu nunca senti alegria com o retorno às aulas. Tenho quatro filhos, e nós sempre nos divertimos muito nestas épocas do ano”, conta.

Essa é a hora em que os pais podem se soltar. Muitas vezes, os filhos têm acesso ao pai que se permite gargalhar e rolar no chão – coisa que não faz no cotidiano. E é justamente essa lembrança vai ficar registrada para sempre.

“Mesmo que os pais estejam trabalhando, existe um universo infinito de possibilidades que pode fazer os fins de semana se tornarem laboratórios – atividades que no fim, vão deixar a todos extremamente felizes”, ensina Elisabeth.

 

Ócio bom

No dia a dia, os pais precisam cobrar resultados dos filhos “Nas férias, esse é o tempo de deixar correr um pouco solto. Se a criança quer dormir, deixa dormir. Se quer assistir um pouco de TV, deixa. Só que vale também transformar tarefas em elementos de diversão. Se a mãe falar ‘quando eu voltar quero que essa caixa de papelão tenha se transformado numa casinha bem bonita para eu poder entrar’ – quem duvida que seus filhos não vão transformar o papelão e esperar ansiosamente pela vota da mãe”? sugere a pedagoga.

 

Desabafo autoral

Aqui vai uma nota pessoal desta jornalista. No último fim de semana, eu estava cansada por ter de fazer faxina durante todo o fim de semana. No domingo, porém, apareceu a oportunidade de levar os meus filhos ao Catavento Cultural, no centro de São Paulo. Eu resisti, porque estava mesmo cansada. Mas eu vi a expectativa no olho dos meninos e fui. Ao chegar no museu, meu cansaço se transformou em deslumbramento. Meus filhos corriam de um lado para outro. Mergulhamos de cabeça em todas as atividades. Tomamos choques, vimos experiências químicas e rimos. Rimos muito.

Foi neste momento que essa pauta se transformou. Seria apenas um roteiro de férias desses que todos os anos vemos sempre. Mas virou algo mais. Ficou a vontade de deixar essa dica para você, leitor ou leitora: use seus fins de semana e volte a ser criança de verdade ao lado dos seus filhos. Deixe o celular em casa e pule de cabeça nesta aventura. Os olhos das crianças vão deixar bem claro para você: essas serão as melhores lembranças da infância que eles terão.

Leia também

Deixe uma resposta