Hoje, 8 de março, Dia Internacional das Mulheres, o mundo celebra e homenageia o sexo feminino. No entanto, você, cara leitora, não precisa esperar – e não deve – aguardar apena essa data para se sentir plena, valorizada e liberta.

Você deve se sentir assim todos os dias da sua vida, elevando a sua autoestima, se acolhendo e, principalmente, sabendo que possui um valor imensurável mesmo que a vida, às vezes, se mostre contra essa vontade de ser feliz. Pode não ser fácil, mas lembre-se que não é impossível.

 

Não aceite cobranças

Ser mãe, dona de casa, profissional e companheira é uma ‘tarefa’ que as mulheres desenvolvem automaticamente no seu dia a dia – e muitas fazem com maestria. Porém, todos esses afazeres perdem a sua essência quando existe a cobrança pela perfeição.

Atire a primeira pedra aquela mulher que nunca foi cobrada no desenvolver de suas tarefas – seja pelos amigos, familiares e companheiro – ou que até mesmo não se autocobrou em ser perfeita.

De acordo com a psicóloga Claudineia Sartori, culturalmente a figura feminina foi construída como frágil e criada para realizar as funções domésticas. Mas quando esse quadro muda, conflitos aparecem e até mesmo as mulheres se questionam sobre o seu papel.

“As cobranças só serão feitas se for validade, ou seja, se a mulher achar que a obrigação é somente dela em dar conta de tudo”, comenta Claudineia.

Para a criadora do site Despertar Feminino, Tamaris Fontanella, “as mulheres precisam se conscientizar de que não devem abraçar o mundo para serem amadas ou reconhecidas, assim se abrirá uma consciência maior para elas exercerem o seu verdadeiro eu”.

 

Eleve a autoestima

Problemas e cobranças são um ‘prato cheio’ para que muitas mulheres possam se sentir deprimidas, desvalorizadas e sem aquele brilho no olhar característico do sexo feminino. Pois bem, é hora de deixar todos os sentimentos negativos de lado e levantar a autoestima, mostrando que a sua força interior é maior e que as dificuldades podem ser encaradas com muita sabedoria.

Para Claudineia, “a mulher não precisa procurar aprovação e reconhecimento dos outro, pois ao se mostrar dotada de confiança, consegue se autovalorizar”.

Tamaris Fontanella diz que a autoestima é bem-querer. “Quando você se acolhe, aprende a se amar na sua luz e na sua sombra, porque ambas têm potências que te movem nesse mundo. Tenha a consciência de onde quer estar, com quem quer partilhar a sua vida e que caminhos te levam para o bem-querer”.

 

Busque o autoconhecimento

Você se conhece? Sabe como lidar com as suas emoções, o que realmente precisa e aonde quer chegar? Então saiba que todos esses fatores são de fundamental importância para ter a autoestima elevada.

Tamaris Fontanella comenta que uma pessoa que não tem consciência de suas sensações e sentimentos é programada por ditames externos e estará sempre fazendo as coisas para os outros, esperando o reconhecimento da forma que idealizou – o que pode levar a frustração e uma autocobrança.

“O autoconhecimento precisa de um valor muito precioso para as mulheres: o tempo. O tempo de parar, respirar, sentir, perceber, pertencer. É preciso encontrar momentos de estar contigo mesmo, se acolher, se mimar, se nutrir”, fala a idealizadora do site Despertar Feminino.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *